São Bento . Santo do dia 11 de Julho

São Bento nasceu na Umbria, Itália, no ano de 480. Era de família nobre romana. Desde pequeno manifestou um gosto especial pela oração. Realizou os primeiros estudos na região de Nurcia, próximo à cidade de Spoleto. Depois foi morar em Roma para estudar filosofia.

Vida de São Bento

Um eremita chamado Romano encontrou Bento e lhe deu um hábito de monge. Romano ensinou a São Bento tudo sobre a vida de eremita e levando-o para uma gruta escondida, (gruta santa), no monte de Subíaco. Lá, o jovem Bento aprofundava-se na vida de eremita e Romano o ajudava regularmente com alimentos.

São Bento ficou ali por 3 anos só em orações e estudos, sem receber visitas. Um dia, porém, um sacerdote da região, fazendo seu jantar, ouviu uma voz dizendo: estás fazendo seu jantar enquanto meu servo Bento morre de fome no deserto.  O sacerdote, com muito esforço, partiu para o deserto, encontrou a gruta em que Bento estava escondido e após uma oração, disse que era o dia da Páscoa do Senhor e serviu-lhe a comida.

Tempos depois o jovem bento foi descoberto por pastores e assim passou a receber muitas visitas para conselhos e orações. Logo sua fama começou a crescer e ele passou a ser visitado por mais e mais pessoas em busca de aconselhamentos e orações.

Tentativa de assassinato

Por causa de sua fama de santidade, São Bento foi chamado para ser o abade (superior) do convento de Vicovaro. Ele aceitou, desejando prestar um serviço. Porém, não combinou com a vida que os monges viviam, porque não era incondicional como ele achava que deveria ser o seguimento de Cristo.

Foi se formando entre os religiosos uma antipatia contra o santo, chegando ao cúmulo de tentarem matá-lo com veneno, mas, abençoando a taça de vinho envenenada, como fazia com todos os alimentos que comia, ela se quebrou. Assim, bento disse em seguida que Deus perdoe a vocês, meus irmãos. Depois disso, abandonou o convento e voltou para Subíaco.

A primeira ordem monástica da história

São Bento fundou em poucos anos doze mosteiros. Antes de Bento, os monges viviam como eremitas, isolados, sozinhos. São Bento organizou a vida monástica comunitária e os mosteiros começaram a florescer. Todos eles seguiam a famosa Regra de São Bento.  As famílias nobres de Roma começaram a mandar seus filhos para estudarem nos mosteiros fundados por São Bento. Santo Plácido e São Mauro estavam entre os educandos de São Bento.

A Regra de São Bento

A Regra de São Bento (Regula Monasteriorum) é um livro escrito por São Bento, com as regras para a vida monástica comunitária. É um livro com 73 capítulos curtos. A regra prioriza o silêncio, a oração, o trabalho, o recolhimento, a caridade fraterna e a obediência. Assim nascia a famosa Ordem dos Beneditinos, ou Ordem de São Bento, que permanece viva e atuante até hoje, seguindo a mesma regra escrita há mais de 1500 anos. A Regra de São Bento foi também adaptada para várias congregações de monges do ocidente.

Milagres de São Bento

No Monte Cassino, Itália, Bento começou a pregar o Evangelho para o povo. Com a pregação e os inúmeros milagres que fazia, inclusive vários exorcismos, o povo começou a se converter. Assim, o povo de Monte Cassino derrubou o templo de Apolo, que fora construído no cume do monte e com suas ruínas construíram dois conventos com as bênçãos de São João Batista e São Martinho. Esta foi a origem do grande mosteiro de Monte Cassino, criado em 529, com a bênção do Papa Felix lll.

 

Devoção a São Bento

São Bento morreu no ano de 547, aos 67 anos. Predisse sua morte no mesmo ano da morte de sua irmã Santa Escolástica, fundadora do ramo feminino da ordem de São Bento. Mandou abrir sua própria sepultura e depois de falar aos monges, de pé com as mãos para o céu, morreu. Parte de suas relíquias estão no Mosteiro de Monte Cassino e outras na abadia de Fleury, na França. São Bento foi canonizado no ano de 1220 e sua festa é comemorada no dia 11 de julho.

Imagem de São Bento

Sua imagem é representada com o livro das regras; um sino, que representa a voz de Deus; um copo quebrado e a serpente representando o veneno; um corvo com um pedaço de pão no bico representando o tempo em que ele passou no deserto e uma vara representando a disciplina.

 

Medalha de São Bento e sua mensagem

A medalha de São Bento foi esculpida primeiramente nas colunas do mosteiro de Monte Cassino. Na frente da medalha lê-se: Ejus in ibitu nostro praesentia muniamur. Sejamos protegidos pela sua presença na hora da nossa morte.

 

 

No verso encontra-se as seguintes inscrições:

CSPB – Crux Sancti Patris Benedicti – (cruz do Santo Pai Bento)

CSSML – Crux Sacra Sit Mihi Lux – (a Cruz Sagrada Seja a minha Luz)

NDSMD – Non Draco Sit Mihi Dux – (não seja o Dragão o meu guia)

VRS – Vade Retro Satana – (para traz satanás)

NSMV – Nunquam Suade Mihi Vana – (Nunca Seduzas minha alma)

SMQL – Sunt Mola Quae Libas – (são coisas más que brindas)

IVB – Ipse Venana Bibas – (Bebas do mesmo veneno)

 

Oração a São Bento

A Cruz sagrada seja a minha Luz. Não seja o dragão o meu guia. Retira-te satanás. Nunca me aconselhe coisas vãs. É do mal o que tu me oferece. Beba tu mesmo do teu veneno. Rogai por nós Bem Aventurado São Bento, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

 

 

Três milagres atribuídos a São Bento que vão tocar seu coração e te encher de confiança em Deus!

O vaso quebrado

Em Effide, São Bento realizou o seu primeiro milagre. Nessa região, em uma casa simples, ele adotou uma vida de oração e austeridade. Um dia, sua ama pediu uma vasilha de barro emprestada a um vizinho. Sem querer, deixou cair o vaso, que ficou estilhaçado. A moça, envergonhada com o acidente, desatou a chorar. Quando Bento chegou em casa, vendo a aflição de sua ama, recolheu os cacos, rezou e devolveu o vaso à jovem, como se ele jamais tivesse quebrado. A vasilha foi colocada na porta da igreja da aldeia para que todos vissem e sua fama de milagreiro espalhou-se rapidamente pela região.

São Plácido salvo da morte

Quando Bento já levava uma vida monástica, um menino chamado Plácido – que mais tarde viria também a tornar-se santo – acabou caindo no rio quando tentava recolher um pouco de água. São Bento estava dentro do Mosteiro, rezando, e soube do acidente com a criança através de uma visão. Ele então chamou um monge chamado Mauro e pediu que este acudisse o garoto. O Irmão respondeu que não sabia nadar, mas São Bento recomendou-lhe que confiasse em Deus. O monge seguiu as orientações de Bento e, andando sobre a água, resgatou o pequeno Plácido. Ao contar a história mais tarde, o menino relatou que, no lugar do Irmão Mauro, ele via a imagem do próprio São Bento.

Expulsão de demônios

Próximo ao mosteiro onde morava São Bento, havia uma grande pedra, que tinha servido de altar para sacrifícios a um deus pagão. Os monges tentavam retirar a pedra, mas a tarefa parecia impossível, pois ninguém era capaz de movê-la. Os religiosos então chamaram Bento, que notou que a pedra estava sendo contida por demônios. Por ordem do santo e diante do sinal da Cruz, os demônios fugiram e a pedra enfim pôde ser removida.

 

Reze a poderosa oração a São Bento e peça a ele que livre toda sua família do mal

Glorioso São Bento,
que dedicaste toda sua vida a Cristo e aos irmãos,
cuidando da vida espiritual
e estabelecendo pontes de amor
entre o coração de Deus e alma do homem,
protegei-me contra os ataques do mal,
livrai-me das insídias do inimigo,
concedei-me a paz interior
e a fortaleza diante das tempestades da vida.

Ó poderoso São Bento,
defendei-me dos olhares invejosos
e ensinai-me a partilhar o amor com todos.

Que a Cruz do Senhor me guie pelos caminhos de luz,
e que o dragão feroz que ronda nossa alma
seja afugentado pelo poder do Cristo Salvador.

Afasta de minha vida e de minha família
toda força do mal, e que, por tua intercessão,
eu anuncie as misericórdias do Cristo Senhor!
Amém!

Giuliane Matos

Comentários